fbpx

Data Center Submarino | Microsoft

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Imagem de: Data center submarino da Microsoft é um sucesso

Microsoft divulgou os primeiros resultados do seu curioso projeto Natick, Data Center Submarino, no qual testa a viabilidade de inserir um data center sob águas litorâneas.

Aparentemente, o projeto saiu melhor que a encomenda, apresentando menos falhas e economizando energia e água filtrada.

Uma grande estrutura metálica recheada de computadores foi colocada a 35,6 metros de profundidade e, ao longo de dois anos, foi observada por profissionais da Microsoft, que finalmente revelam o resultado do experimento.

O Projeto Natick leva como objetivo principal aproximar os centros de dados da população costeira, buscando acelerar sua navegação pela internet, transmissões e acesso a jogos.

Assim que o conceito foi definido, a Microsoft entrou na “fase um” no desenvolvimento do projeto. 

Portanto, a etapa foi reservada para planejar e projetar o enorme contêiner que seria colocado dentro da água, livre de oxigênio e totalmente preenchido por nitrogênio.

Então, o elaborado projeto de engenharia ganhou corpo em 2018, logo sendo inserido dentro das águas próximas de uma das ilhas do Arquipélago Shetland, na Escócia, dando início a “fase dois”.

“Tínhamos a teoria de que se estivéssemos num ambiente estável, […] onde tiramos o oxigênio, controlamos a umidade constantemente, não há pessoas andando por perto, esbarrando em coisas ou causando falhas adicionais, nós teríamos maior estabilidade”, conta o pesquisador Spencer Fowers.

Os ganhos

Finalizada a parte dois, a Microsoft concluiu que o projeto não só é viável, como pode representar o futuro dos seus data centers.

A máquina submarina apresentou 1/8 das falhas do idêntico servidor instalado em terra, economizou água filtrada que seria utilizada para refrigeração e utilizou energia de fontes sustentáveis — solar e eólica — do Arquipélago Shetland.

a

Além disso, atualmente, os pesquisadores da Microsoft pretendem estudar o desgaste dos componentes com maior profundidade e entender quais os impactos da submersão e do ambiente de nitrogênio.

Líderes da Microsoft Azure estão de olho no projeto, que poderia elevar o nível do serviço em nuvem da companhia, mesmo que a distribuição internacional demandasse milhares destas mesmas cápsulas do Natick.

Fonte: Tecmundo

Deixa aqui o seu comentário

Últimas notícias e dicas