PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO AS QUE MAIS SOFREM CIBERATAQUES

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Um estudo mostrou que 43% dos ciberataques visam as pequenas e médias empresas, tendo como principal foco a parte financeira.|

De acordo com especialistas em segurança digital, no passado os hackers eram motivados pelo desafio que representava acessar informações sigilosas. Com o passar do tempo, esses grupos perceberam que existia a possibilidade de retorno financeiro e, hoje, a maior parte tem motivação financeira. 

Antigamente, os ataques virtuais eram caracterizados pro fraudes e rápidas transferências de dinheiro para contas laranjas, que eram sacadas nas pressas antes de serem bloqueadas. Hoje, os ataques se sofisticaram e os hackers estão mais pacientes. Em média, no mundo todo, os hackers ficam até 240 dias, apenas coletando dados. O intuito é retirar o máximo de informações da empresa para verificar com o que pode-se lucrar. 

Atualmente, os hacker tem optado por invasões mais elaboradas, com dois ou três passos de execução. A invasão pode ocorrer tanto na infraestrutura da empresa como no softwares que ela utiliza. Um bom exemplo para ataques via infraestrutura são as redes wi-fi disponibilizadas pelas empresas.

Um dos ataques que mais afetam as pequenas empresas são as falhas deixadas por sistemas mal configurados ou desatualizados. Os hackers se aproveitam dessas brechas para se infiltrarem em servidores e coletar dados sigilosos.

Hoje, o ataque mais disseminado é do tipo ransomware. Esse ataque virtual consiste na criptografia das informações, tornando-as inacessíveis aos usuários. Para ter libração dos dados a empresa é intimada a pagar um “resgate” ao racker. Daí vem o termo como é chamado atualmente, “sequestro de dados”. Tal pagamento e geralmente realizado em Bitcoins (moeda virtual).|

A Interactiva Networks do Brasil sempre indica aos seus clientes e parceiros a utilização de softwares licenciados, evitando assim a utilização de “craques” para ativação de qualquer tipo de software. Indicamos também, a utilização de um firewall de borda e um solução antivírus com proteção anti-ransomware. A utilização de backup em nuvem também torna-se indispensável para uma segurança ainda maior (indicamos a solução iBackup Disaster Recovery).

|

Equipe Interactiva

Deixa aqui o seu comentário

Últimas notícias e dicas